A diferença entre o foco no problema e o foco na solução

Para resolver um problema é preciso saber onde focar para obter melhores soluções. Quando se foca no problema, você pode achar uma solução, mas esta solução pode gerar novos problemas, mantendo este foco, pode acabar criando uma cascata infinita de problemas. Ao focar na solução do problema, você pode resolver o problema sem efeitos colaterais e ficar livre para dar atenção ao que interessa.

Neste artigo demonstrarei alguns exemplos de ambos os focos de forma prática e objetiva.

Escrevendo no Espaço

Vamos analisar uma pequena história sobre os diferentes focos:

“Os astronautas, tanto os americanos quanto os russos, perceberam que não era possível escrever com uma caneta comum no espaço, pois a tinta não saia da caneta devido à falta de gravidade. A Nasa, com toda sua tecnologia e profissionais qualificados, investiram muito dinheiro em pesquisas e conseguiram inventar uma caneta que escrevia mesmo em gravidade zero, os astronautas americanos ficaram orgulhosos e usaram sua nova tecnologia no espaço. A agência espacial russa simplesmente passou a usar um lápis.”
Lendas urbanas – contos de administração.

Note que ambos os grupos de profissionais estavam com o mesmo problema: não era possível escrever de caneta no espaço.

A Nasa se focou no problema, que era o fato da caneta não conseguir funcionar no espaço, então ela gerou novos problemas para resolver este, teve que gastar muito dinheiro, teve que investir tempo e recursos em pesquisa, entre inúmeros outros novos problemas.

A agência espacial russa já teve o seu foco na solução. Eles viram que a solução era conseguir escrever no espaço. Há várias formas de se escrever sem precisar usar uma caneta, então eles procuraram uma solução com melhor custo benefício.

A caneta não fazia parte da solução, fazia parte do problema. Quando descobrimos um problema, temos que primeiro pensar em qual é o objetivo, o que é preciso ser feito para que o objetivo seja alcançado, em vez de perder tempo tentando arrumar o que está causando o problema.

Falha na produção

Outra história interessante para analisar:

“Uma empresa multinacional estava com um problema grave na sua produção de pasta de dente, muitas caixas estavam sem a pasta, isso estava gerando muitos problemas para a empresa, obviamente. Os executivos não sabiam o que fazer, como evitar que as caixas não fossem sem a pasta de dente dentro. Com isso, contrataram uma consultoria que desenvolveu uma máquina que retirava as caixas vazias da última esteira da produção. A máquina custou bilhões, ela contia uma balança com alta precisão que pesava a caixa para ver se estava vazia e depois um braço mecânico arrancava a caixa vazia da esteira.  Meses depois não havia mais problemas de caixas vazias, então os gestores da empresa foram olhar os relatórios e a máquina estava desligada. Ninguém entendeu nada, foi uma correria para descobrir como o problema havia sumido e a máquina estava desligada, depois de muito procurar, foram até a produção perguntar para os funcionários de operação, onde um deles respondeu: – A máquina parou de funcionar na primeira semana, então nós fizemos uma vaquinha para comprar um ventilador e colocamos o ventilador para empurrar as caixas vazias da esteira.”
Lendas urbanas – contos de administração.

Apesar de engraçado, e depois de ler, parecer bem simples, essa história retrata um realidade muito comum no mercado de trabalho.

Para os gestores que estão muito distante da produção do produto, ou da entrega do serviço, é necessário obter toda informação possível do processo para que se consiga focar na solução. Os funcionários que lidavam com a parte da produção onde estava o problema é quem possuíam toda experiência do dia a dia daquele processo, então eles deveriam ser consultados antes de qualquer decisão precipitada.

Com a informação em mãos do que acontece no dia a dia do processo é possível definir qual é o objetivo a ser alcançado e qual é a solução para se chegar neste objetivo.

Imagina o trabalho que não seria para esta empresa manter essas máquinas a mais na produção, era um problema gerando novos problemas.

O objetivo era simples, remover as caixas vazias, então um simples ventilador já resolvia o problema.

Resolvendo Problemas

Ao enfrentar um novo problema, não deixe seu foco ir todo para a causa do problema, pense no que precisa ser feito para que o objetivo seja alcançado e então você terá o foco na solução.

O processo de mudar o foco não é rápido, é preciso de um tempo até que se acostume a pensar da maneira certa ao se deparar com um problema, ou seja, é preciso de praticar bastante até que isso fique automático.

Use esse nova forma de pensar em pequenos problemas que encontrar no seu dia a dia e comece a praticar!

8 comentários em “A diferença entre o foco no problema e o foco na solução


  1. Douglas disse:

    Ótimo texto ajuda a mudar a forma de pensar quando se está sobre stress

    • Bruno Nardini disse:

      Que bom que tenha gostado =)

  2. JULIANA ALINE ROSSETI disse:

    esta história é real?

    • Bruno Nardini disse:

      Até onde eu sei são contos usados para ilustrar um ponto de vista, não acho que sejam reais.

  3. Dieter disse:

    “A Nasa se focou no problema, que era o fato da caneta não conseguir funcionar no espaço, então ela gerou novos problemas para resolver e…”

    Desculpe, mas quando vc escreve assim, vc está misturando conceitos como problema e solução. Ao focar na caneta……… ela está focando na solução. E não no problema. Exatamente o contrário do que vc escreveu.
    E a agência espacial russa focou no problema. Não conseguir escrever, e achou uma solução. O lápis.

    abraços, e boa correção no seu texto.

    • Bruno Nardini disse:

      Não entendi o que está errado. A caneta era parte do problema, onde o problema real era que eles não conseguiam escrever com a caneta. E a agência espacial russa focou na solução, que era conseguir escrever no espaço. Poderia me explicar melhor no que errei?

  4. HUGO PRADO JR disse:

    Bruno
    Me desculpe ,mas , concordo, plenamente com o Dieter. Li um outro texto no InfoMoney antes do seu e ali também achei a denominação invertida. Conceitualmente acredito que todos estamos falando a mesma lingua. Quando o voce foca no problema a primeira tentativa deve ser eliminar o mesmo. Está dada a solução! A caneta não escreve na gravidade zero. Usa-se o lápis! Focar na solução leva a desenvolver meios de a caneta escrever na falta de gravidade. Na verdade está, também, se eliminando o problema, trocando a caneta esferográfica pela caneta intergalática anti-gravitacional de milhões de dolares. Eliminar o problema usando o lápis é bem mais rápido, prático e mais fácil.
    Desculpe, pois, o assunto me interessa demais,já que penso que nós erramos desta maneira em quase tudo que tentamos resolver. Creio que deveria ser ensinado o conceito desde o curso elementar: Problema? Eliminar Problema! encontrada a Solução! Se quiser alongar o tema com problemas específicos Hugo franzen87@hotmail.com
    Para não alongar vou citar só um problema que é global e cada um da a sua solução, ao invés de, acabar com o problema. A quantidade de lixo na cidade de Nova York é absurda. Comercio opera o dia inteiro e à noite podem ser vistas as verdadeiras montanhas de sacos pretos de lixo acumuladas, à espera que os caminhões de lixo venham recolher. Em seguida estes caminhões despejam o lixo em barcaças ancoradas no Porto de Nova York que as levarão para aterros bem distantes da cidade. Problema = Muito Lixo. Eliminar Problema = Pouco ou nenhum lixo

  5. rafael capra disse:

    Negativo, o problema no meu ponto de vista estava no “entendimento do problema” (não na caneta ou qualquer ferramenta), assim, “não escrever” era o problema!
    Pra mim “entender o problema” é fundamental bem mais do que focar em solução, pois pode mitigar gastos desnecessários em solução como relatou.

Deixe um comentário